Alimentação macrobiótica

O Outono chegou e com ele algumas alterações nas nossas vidas precisam de ser feitas de modo a que o nosso organismo funcione em sintonia com o que nos rodeia. A forma como os nossos órgãos internos têm contacto com o exterior é através dos alimentos que ingerimos e do que os nossos sentidos absorvem. Como não podemos alterar a luz, temperatura, vento ou até mesmo o que o exterior nos faz sentir a melhor forma de estarmos em equilíbrio com o que nos rodeia é exatamente através dos alimentos e de algumas pequenas alterações nos hábitos diários, como por exemplo tentar ir para a cama mais cedo e acordar mais cedo para aproveitar melhor as horas de sol.

Devemos tentar ao máximo evitar alimentos de climas tropicais pelas razões que mencionei acima, já que estaremos a dar a informação ao corpo que estamos no verão quando na verdade deveríamos era estar a preparar-nos para um clima mais frio. Já reparou que muitas das pessoas que não gostam do tempo frio consomem muitos alimentos de climas quentes como coco, manga, bananas, ananás, especiarias fortes, tomate…?

A proposta da macrobiótica passa por uma alimentação mais em sintonia com exterior apostando em alimentos da época como: millet ou milho painço, abóbora, nabo, grelos, couve lombarda, couve portuguesa, acelgas, amêndoas, nozes, avelãs, romã, diospiro, tangerina…

Esta sempre foi uma época de recolhimento, de nos prepararmos para o inverno, assim não faz sentido prolongarmos hábitos do verão como os gelados, as bebidas frias ou as roupas mais leves. As saladas frescas que nos sabem tão bem no Verão devem ser gradualmente substituídas, ou alternadas, por métodos de cozinha rápidos como legumes escaldados, salteados rápidos e ir prolongando os tempos até chegarmos ao Inverno e aos famosos assados no forno. Os nossos antepassados respeitavam os ritmos da natureza.

É normalmente nesta época que nos apetecem mais doces. A macrobiótica explica isso com associando esta estação com o estômago, o baço e o pâncreas. Este último responsável pela metabolização dos açúcares. Devemos ouvir o nosso corpo, pois ele é sábio, mas fornecer-lhe alimentos doces de qualidade como os que mencionei acima.

Estas e outras sugestões para uma vida melhor e mais saudável esperam por si numa consulta de aconselhamento macrobiótico.

Especialista: Francisco Rosário

2019-11-27T11:35:09+00:00