Dia 30 de Outubro assinala-se o Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama.

De acordo com os Estudos realizados nos últimos anos, é o segundo cancro mais comum em todo o mundo e o mais prevalente entre as mulheres. Apresenta maior incidência nos países desenvolvidos, com estilos de vida ocidentais e uma esperança média de vida maior. Indivíduos que tenham vencido o cancro, apresentam um risco aumentado de recorrência, um aumento de peso e tendência para desenvolver doenças cardiovasculares e alterações metabólicas.

Deste modo, a Nutrição em oncologia assume um papel preponderante na prevenção e remissão da doença oncológica. A relação entre o que comemos e como adoecemos faz com que a procura de recomendações e conselhos nutricionais fidedignos e a promoção de estilos de vida saudáveis seja uma constante. A Dra. Carla Castrelo, Nutricionista da Clínica Em Forma explica-nos tudo.

A dieta pode influenciar o risco de ter cancro da mama? Sim, cada vez mais se tem demonstrado que o tipo de alimentação está relacionado com o risco de cancro da mama, que uma alimentação hipercalórica, desequilibrada, rica em gorduras saturadas, açúcares, produtos industrializados e agentes de conservação, típica dos países ocidentais tem uma influência negativa no nosso organismo.

Estilos de vida, hábitos alimentares desregulados, excesso de peso, pouca/ inexistência de atividade física constituem fatores de risco para o aparecimento de cancro da mama.

A adoção de um padrão alimentar saudável, anti-inflamatório, baseado no consumo de frutas, vegetais, leguminosas, carnes brancas, peixe pode melhorar o prognóstico geral e a sobrevida em mulheres diagnosticadas com cancro da mama.

As principais Recomendações Nutricionais para a prevenção e remissão do cancro da mama, são:

– Controlar o seu peso corporal (evitar o excesso de peso e a obesidade).

– Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras (vegetais, frutas, leguminosas) e alimentos de baixo índice glicémico.

– Reduzir o consumo de gordura saturada e de açúcar simples (sacarose) – vulgarmente conhecido por açúcar branco.

– Controlar os níveis de colesterol sérico, uma vez que o colesterol elevado parece inibir a capacidade de resposta do sistema imunitário face às células cancerígenas.

O que deve Reduzir ou Eliminar:

Carne vermelha – o consumo de carne vermelha e processada é um dos fatores de risco para o cancro da mama.

Gordura saturada (manteiga, banha, queijo gordo, natas, iogurte gordo, entre outros) que está associado ao risco elevado em doentes com cancro da mama.

Açúcares e derivados (Bolos, Gomas, Chocolate, Bebidas açucaradas) – Evitar o consumo de alimentos em que os primeiros ingredientes no rótulo sejam: açúcar (sacarose), mel, melaço, ou outras formas de açúcar, maltose, frutose, xarope de glicose, dextrose).

Álcool – Estudos demonstram que seja na prevenção ou na remissão da doença, qualquer que seja o tipo de bebida consumida (cerveja, vinho, bebidas destiladas) está associado ao aparecimento de casos de cancro, e também o cancro da mama, devendo ser evitado ou moderado o seu consumo.

O que deve Aumentar:

Frutas e Vegetais – ricos em polifenóis, betacaroteno e outros carotenóides, vitaminas A, C, E, ricos em fibras que previnem o aparecimento de células cancerígenas: Manga, Papaia, Alperce, Frutos vermelhos (amoras, mirtilos, framboesas); Frutos secos (Noz, Amêndoa, Avelã), Cenoura, Abóbora, Tomate, Espinafre, Agrião, Brócolos, Couve flor, Cebola, Alho, Gengibre, Alecrim e Curcuma. A opção por alimentos de agricultura biológica também é recomendada.

Cereais integrais (Pão de mistura/ pão integral, Flocos de aveia, Arroz/ Massa integral, Quinoa).

Soja – Recomenda-se uma ingestão de 30g/dia de produtos à base de soja, uma vez que tem um efeito benéfico em mulheres com cancro da mama.

– Gordura Monoinsaturada e Polinsaturada (Azeite virgem extra, Frutos secos, Abacate, Peixes ricos em ómega 3 – sardinha, salmão, cavala, atum, sarda).

Hidratar-se – é fundamental para manter todas as funções metabólicas ativas e reforçar o organismo.

Café – Não está demostrada até à data qualquer associação entre o seu consumo e o risco de cancro da mama.

Chá – O chá preto, de acordo com alguns estudos realizados parece ter um efeito protetor; o Chá verde não foi demonstrado qualquer tipo de relação entre o seu consumo.

Tenha em atenção a alguns Cuidados de Segurança alimentar, uma vez que os alimentos são portadores de microrganismos e de toxicidade patogénica. Na confeção dos alimentos opte por métodos de confeção ao vapor, cozidos, estufados sem molho, preservando as suas propriedades nutricionais. Deve evitar uma exposição a elevada temperatura no churrasco, grelha, chapa, evitando assim a formação de compostos carcinogénicos (hidrocarbonetos aromáticos policíclicos).

Comece já hoje a adotar uma atitude preventiva, privilegiando a variedade e moderação alimentar!